Em tempos de extermínio de meninos de rua, nada mais oportuno que a nova montagem de Capitães de Areia, da obra homônima de Jorge Amado. Roberto Bomtempo, diretor e adaptador, presta homenagem ao falecido Carlos Wilson, o Damião, que em 1982 montou a peça e obteve grande sucesso lançando jovens atores e abrindo caminho para o teatro juvenil.

Texto comovente Capitães de Areia, em cartaz no Teatro Vanucci, em certas partes exagera o lado emocional. Os diálogos muitas vezes são forçados e carrega nos estereótipos: a mulher-prostituta, o menino-homem-machão, o negro-bom e o padre comunista. A aventura e a amizade amenizam as dificuldades.

Talvez o tempo tenha tornado Capitães de Areia água com açúcar, uma vez que hoje estamos mais para Infância dos Mortos, de José Louzeiro, do que para o dos heroicos meninos de Salvador. A realidade cruel consegue ser mais fantástica do que a ficção. Mas, mesmo assim, esta montagem é positiva até para manter a discussão em torno da tragédia dos menores.

Roberto Bomtempo realiza um excepcional trabalho de atores. São 29 artistas que mostram vitalidade e paixão pelo ato de representar, especialmente Victor Hugo, o Sem Pernas. Uma revelação no grupo, que consegue um equilíbrio raro de se encontrar. Mas Bomtempo não inova na direção, e usa muitos Black-outs. A morte do Sem Pernas é enfraquecida cenicamente, enquanto a de Dora é prolongada. Jonas Torres é desperdiçado em papel secundário.

A direção musical de Zé Alexandre e Cebolinha coloca o espectador no clima baiano e oferece um espetáculo ao vivo com direito a muitas cenas de capoeira, que embelezam e caracterizam a montagem. A boa coreografia é de Claudio Moreno.


FICHA TÉCNICA

Direção Roberto Bomtempo
Elenco: André Gonçalves, Dira
Paes, Vitor Hugo, Marco Miranda e outros.


Estreou em janeiro de 1992, no Teatro Vannucci/RJ

Temporadas: Teatro de Lona da Barra/RJ, Teatro Tuca/SP, Petrópolis/RJ, Barbacena/MG, Belo Horizonte/MG, Brasília/DF, Porto Alegre/RGS, Santa Rosa/RGS, Florianópolis/SC, Campo Grande/MT, Belém/PR, Goiânia/GO, Salvador/BH, Ilhéus/BH e Feira de Santana/BH

O espetáculo foi selecionado para participar do FITEI – Festival Internacional de Teatro do Porto – PT
Turnê por Portugal durante um mês.